"OS CONTOS DE FADA DO TIBETE" : A GUERRA MÁGICA E A DECEPÇÃO DO EVOLUCIONISMO - ENCONTRO COM O SR.BHODYOUL




*Os Contos de Fada do Tibete*
Encontro com o Sr. Bhodyoul
Autor: Joël Labruyère


*OS CONTOS DE FADA DO TIBETE* - Entrevista com o Sr. BHODYOUL (profundo conhecedor do funcionamento da central telepática dos grandes mágicos do Tibete)

Por meio século, o povo tibetano geme sob a mão do ogro chinês, mas você sabia que por trás das aparências, os governos tibetanos e chineses representam uma comédia cuja encenação foi montada por uma loja secreta?
Através das revelações que se seguem, o nosso idealismo leva um tiro. Seria o tiro de misericórdia que mata ou aquele que desperta do torpor dos contos de fada do Tibete?
O mítico Tibete é um lugar sagrado da cultura profana moderna. Esse povo e suas crenças se tornaram a justa consciência da nossa civilização materialista que destruiu suas próprias tradições. Desde o exílio do décimo quarto Dalai Lama, o Tibete se destaca como uma ilha virgem que jamais teria sido contaminada pelo pecado original, como se o budismo tibetano estivesse envolvido eternamente nas nuvens eternas da pureza moral e política.
Para descobrir o que é o Tibete e o Lamaísmo aventurando-se além da ‘Viagem de uma parisiense à Lhasa’ (livro de Alexandra David-Néel) ou de ‘Tintim no Tibete’ (história em quadrinhos do belga Hergé), sem se deixar impressionar pelas prostrações de intelectuais convertidos, entrevistamos um tibetano de uma linhagem antiga. Um oriental que concorda em se desfazer por um momento do seu sorriso imutável para falar sinceramente de coisas proibidas, o que é muito raro de ser registrado.
O Sr. Bhodyoul possui, entre os seus antepassados, ​​budistas da irmandade dos Lohan, assim como lamas Karmapa de boinas vermelhas e os Gelugpa do Lamaísmo oficial (de boinas amarelas). Ele não é sectário. Letrado e mentalmente independente, ele conhece a história e as irregularidades da política asiática. Mas o fato mais valioso é que ele tem conhecimentos muito específicos da magia tibetana, sem a qual os sonhos do Tibete não iriam enfeitiçar o ocidente.

INTERROGANTE: Sr. Bhodyoul, você é um Tibetano de nascença que assumiu a nacionalidade de um país da Europa no qual você fez uma carreira de negócios até a idade de aposentadoria, nos anos 90. Você deixou o Tibete com 14 anos de idade juntamente com seus pais e sua irmã que vive na América. Eu não direi mais sobre a sua origem por questões de segurança, porque há todas as razões para acreditar que um Tibetano muito falador, não é bem visto.
A imagem que nós temos dos seus compatriotas é aquela de lamas disciplinados ocupando-se da salvação das almas e, mais prosaicamente, de questões imobiliárias.  Quanto aos tibetanos leigos, eles nos são mostrados como um povo de boa índole, sempre alegres e felizes com o seu destino, apesar da cruel repressão da China.
Antigamente, a nossa intelectualidade não tolerava críticas a Stalin para não "desesperar Billancourt". Hoje, os intelectuais ateus não param mais de elogiar o Tibete e o seu líder teocrático, empossado como embaixador da paz e da sabedoria. Ora, cabe à pessoa acreditar, tudo isso é cinema. Pior, é um perigo, uma verdadeira calamidade!
Você se apresenta então como um apóstata do lamaísmo, um espírito livre que não se reconhece na imagem do mártir exilado que fizemos dos seus compatriotas da diáspora. De acordo com você, este exílio permitiu finalizar uma estratégia de conquista que começou há séculos. Sejamos claros, nós estamos falando de uma dominação oculta que você denuncia como sendo organizada por uma fraternidade que age no fundo do lamaísmo.
Você nos contatou sem dizer a sua nacionalidade, exceto o seu sotaque indefinível que poderia muito bem ser alemão, inglês, ou até mesmo holandês. O seu francês é excelente, mas você não é de nacionalidade francesa.
Você poderia ser um agente da China ou de um clã oposto aos Gelugpa que estão à frente do governo tibetano no exílio. Há boas razões para tomar as suas revelações a sério porque eles se cruzam com outras fontes confiáveis. Essas revelações fazem explodir a política das sociedades secretas e das religiões oficiais que lhe servem como anteparo. Aqui se revelam os mais altos interesses das lojas que puxam as cordas na sombra. Você tem um esclarecimento para estas apresentações sumárias?

Sr. BHODYOUL: Um exilado asiático é raramente falador quando se trata de fatos onde os chineses e o governo tibetano no exílio estão envolvidos. Se houvesse apenas eu, não faria diferença, mas não devemos identificar a minha família. Ao dar o mínimo detalhe sobre as minhas origens, do status da minha família e do que fazia o meu pai ou os meus antepassados​​, eu acho que os funcionários chineses e tibetanos, para não mencionar a CIA, saberiam me encontrar. Eu irei simplesmente dizer que eu sou originário da região de Gyantse, cerca de cem quilômetros ao norte de Butão. Sem me arriscar demais, eu acrescentaria que os meus ancestrais vieram da Caxemira, como muitos budistas indianos que fugiram da repressão dos brâmanes. Eles eram ligados à tradição dos antigos Arhat. A maioria se dispersou na China e em Gobi. Resta apenas as lendas sobre os Lohan - "aqueles que cantam de maneira suave" - aos quais os lamaístas emprestaram a sua ciência dos mantras, mas para um uso invertido, satânico, como vocês dizem no ocidente. Então, eu sou budista, mas da linhagem da "Lei do Bem" dos Arhat de Pou-To.
Um Arhat é um “liberado”. É assim que nós chamamos os discípulos de Buda que entraram na Liberação. Em chinês, Arhat se diz Lohan, daí o nome dado às irmandades que fugiram da Índia para o norte. Este êxodo começou no primeiro século A.C. e continuou até o século 14. Depois, o lamaísmo, que ainda é chamado de budismo tibetano, submergiu em nós impondo um estado teocrático cuja teologia não é mais budista no sentido original. Vamos ver o porquê.
Totalmente isolados, os Lohan tinham jurado não resistir aos seus inimigos. Eles supunham deter a verdadeira ciência espiritual que liberta a alma do apego ao mundo da ilusão, enquanto que a ciência do Lamaísmo tem um uso diferente. Ela reforça as ilusões.

INTERROGANTE: Os agentes secretos tibetanos?

Sr. BHODYOUL: Quer sejam tibetanos, russos, ingleses ou americanos, não importa. A política da China interessa muito ao mundo, e não os seus velhos amigos ingleses que irão me desmentir. Os ingleses nunca estão longe.
A mídia apresenta os meus compatriotas como espíritos puros ocupados com a metafísica, mas, muito pelo contrário, é um povo de guerreiros orgulhosos cuja história é feita apenas de lutas entre clãs rivais. Os príncipes dos clãs e os abades dos mosteiros sempre travaram guerra pela supremacia, um chamando a China para ajudar e o outro usando os mongóis, se bem que os nossos vizinhos sempre pensaram que eles estavam com eles no Tibete. Depois, quando a China comunista chegou em 1949, ela se sentia no direito já que oficialmente o Tibete é um protetorado chinês. Os britânicos também nos invadiram em 1904, e a Rússia poderia muito bem se sentir em casa, pois algumas repúblicas socialistas eram de confissão lamaísta como a Mongólia que perfila à frente. O título de Dalai Lama existe apenas desde o final do século 16. É um descendente de Genghis Khan, Altan Khan, que o concede a Gyamtso cujo nome significa "oceano", que se diz dalaï na língua mongol. Este é um título honorário mongol, se você vê o que eu quero dizer ...

INTERROGANTE: O primeiro Dalai Lama foi nomeado pelos mongóis para bons e leais serviços?

Sr. BHODYOUL: Sim, porque naquele tempo os Gelugpa - os boinas amarelas - foram divididos em dois clãs rivais, também em guerra com os Karmapa e outras facções. É realmente muito complicado de explicar porque, na Ásia, as alianças são feitas, desfeitas e se confrontam continuamente. Sonam Gyatso, que era abade do mosteiro de Depung e chefe dos Gelugpa, chama os mongóis para o resgate. O título de Dalai Lama é, consequentemente, uma recompensa de guerra. É como se Napoleão tivesse sido coroado pelos ingleses! Eu não sei se você compreende, isso é difícil de acompanhar. Saiba ainda que antes do seu exílio, o atual Dalai Lama conheceu o diplomata Chou En-Lai durante visitas a Nova Deli.
Da sua parte, o Panchen Lama, o chefe do poder real do Tibete, sempre foi favorável aos chineses. Há ligações ocultas indestrutíveis.

INTERROGANTE: Entendemos melhor por que os chineses declaram que o Tibete sempre foi uma província do seu império. A revolução comunista só criou uma divisão ideológica. Haveria um interesse comum além dos regimes e das crenças religiosas.
Como prova, ficamos surpresos ao ver como os chineses comunistas e ateus mantêm a encarnação da criança Panchen Lama! Eles afirmam ter as provas ocultas da encarnação legítima de um tulku fantasma, o que é estranho para os ateus empedernidos ...

Sr. BHODYOUL: A divisão ideológica é só fachada, é claro. Quando eles entraram no Tibete, em 1949, os chineses respeitaram a religião até o momento da revolta dos guerreiros Khampa que eram outrora contrários à China. Foi uma provocação dos chineses ou uma desculpa para provocar o exílio do Dalai Lama? Eu tenho uma ideia sobre isso. O Dalai Lama foge do país acompanhado de uma centena de pessoas. Este é um ponto sem explicação, pois não sabemos como um grupo tão importante pôde escapar à vigilância do exército chinês que guardava de perto o Potala assim como fora de Lhassa e que vigiava a fronteira da Índia. Nesta época, não era difícil de fechar hermeticamente a pequena cidade de Lhassa, e as estradas para a Índia eram bem guardadas. Um soberano que foge incógnito com sua comitiva, seus servos e sua bagagem através de centenas de quilômetros de montanhas, escapando dos instrumentos, dos aviões e dos indicadores de um exército moderno, isso jamais se viu.

INTERROGANTE: Isso fica muito interessante. Você quer dizer que o Dalai Lama teria fugido com a cumplicidade dos chineses em um objetivo político específico?

Sr. BHODYOUL: Não existe um caduco asiático que vai acreditar que um comboio altamente reconhecível, conduzido por um chefe de governo sob alta vigilância, desapareceu à noite no Himalaia para reaparecer misteriosamente em um palácio em Nova Deli, sabendo que a Índia não tinha motivos para irritar a China vermelha. E, enquanto isso, o Panchen Lama - que é o verdadeiro chefe do Tibete - teria permanecido tranquilamente no Tibete. Por que ele não fugiu, ele que os tibetanos reconhecem como o seu líder espiritual?
Isto significa que não há nação tibetana no exílio já que a verdadeira autoridade permaneceu no local no comando do país, que ainda é um protetorado da China, segundo um acordo reconhecido pelas grandes nações.

INTERROGANTE: Este é um ponto de vista ao qual não estamos acostumados. Falamos do misterioso Panchen Lama, o “Papa negro” do lamaísmo. Ele é praticamente desconhecido, e o Dalai Lama que a mídia ama tem o ar de uma linda borboleta que esvoaça daqui e dali lançando olhares e encantos: “Todo mundo é belo, todo mundo é gentil!”.
De acordo com você, ele usurpa já que ele nunca representou o verdadeiro poder do Tibete? Vemos que os americanos o faz endossar o papel de embaixador da paz para servir a propaganda da nova ordem mundial da qual ele é o solista.

Sr. BHODYOUL: Não são somente os americanos que o manipulam, mas os seus mestres secretos de Shigatsé. Nós voltaremos a esse assunto da “grande Loja oriental”.
O título de Panchen Lama data do início do século. Ele foi concedido ao Abade de Tashilhunpo que se tornou a verdadeira autoridade espiritual do Tibete.
O Dalai Lama e o Panchen Lama são reconhecidos como duas "encarnações", respectivamente de Avalokitesvara e de Amitabha, que são, para simplificar, duas hipóstases do panteão tibetano.
Esses dois “espíritos” se reencarnam continuamente e você conhece os meios empregados para reconhecê-los quando eles são crianças. Encontramos a tigela de um e as botas do outro. O rosto do cadáver de um está voltado na direção da cidade onde ele iria renascer, etc.. Tudo isso parece sedutor para os ocidentais que ficam maravilhados diante desses fatos milagrosos. Este sistema de reencarnação em isolamento chamado de "tulku" pode concentrar um enorme poder e manter o sistema, sem interrupção. Eu vou lhe dar a razão.

INTERROGANTE: De fato, se os mesmos espíritos recuperam a sua função anterior, eles devem dispor de um controle prodigioso. Eles são como os reis que governaram ao longo do tempo. No entanto, não vemos qualquer evolução, nada mais senão a magia já que esta sociedade foi fixada em torno dos seus ritos imutáveis ​​desde a Idade Média.

Sr. BHODYOUL: Ela está fixada apenas no exterior porque, na realidade, há uma intensa atividade no coração do sistema lamaísta. Há pensadores poderosos por trás dessa fachada, e estes cérebros lançaram ideias que os ocidentais acreditam ter inventado. Entremos no cerne da questão.
O budismo tibetano dispõe de uma série de práticas e de rituais de magia realmente excepcionais, já que ele recolheu os sistemas de magia dos iogues tântricos, os conhecimentos metafísicos e medicinais dos hindus, assim como as técnicas xamânicas arcaicas. Tudo isso está englobado em uma teologia budista que é uma síntese das correntes indianas e chinesas.

INTERROGANTE: Houve a reforma de Tsongkhapa que é oriunda da tradição Gegpa representada pelo Dalai Lama?

Sr. BHODYOUL: Esta grande reforma do início do século XV tem feito do lamaísmo uma religião organizada e centralizada semelhante ao Vaticano. O Dalai Lama tornou-se o chefe administrativo, enquanto o Panchen Lama é o líder espiritual em segundo plano. Eu tento simplificar, e isso pode parecer minimizado para os orientalistas, mas quem se importa, pois o que eu vou lhe dizer é completamente desconhecido.

INTERROGANTE: Nós estamos batendo em certas semelhanças entre o catolicismo romano e o budismo tibetano, tanto no plano da organização como no decoro ritual, as práticas devocionais, a vida monástica, e a hierarquia sacerdotal com seus votos. Digamos que estas duas formas de religiões são ressurgências da Atlântida. Houve influência de Roma no Tibete ou vice-versa?

Sr. BHODYOUL: Objetivamente, nós sabemos que missionários católicos entraram no Tibete a partir do século XIV e que eles foram bem acolhidos. Isso foi apenas insignificante.

INTERROGANTE: No século XIV! Nos contaram que o Tibete sempre foi fechado aos estrangeiros e especialmente aos missionários! É incrível que religiosos católicos já estiveram presentes no Tibete na época em que começou a linhagem dos Dalai Lamas...

Sr. BHODYOUL: Tudo o que se relaciona com o Tibete está mal informado. Os primeiros missionários do século XIV eram Franciscanos, bem antes da chegada dos Jesuítas que não existiam naquela época, é claro. Quanto aos Capuchinhos, há lendas sobre o seu gosto por certas formas de devoção desviadas em sexualidade depravada.
Os Jesuítas são, por sua vez, os ocultistas que sempre tentaram recuperar as práticas de magia das culturas que eles infiltraram. Nós não sabemos os detalhes da presença jesuíta no Tibete, mas é historicamente comprovado que o Padre Antonio de Andrade foi recebido em 1624 e que ele passou vários anos, seguido por outros jesuítas portugueses - os padres Cabral e Cacella - que vão ficar em Shigatse por volta de 1620-1630, sob a proteção dos príncipes de Tang. Os Jesuítas, protegidos pelos príncipes tibetanos, viveram em Shigatse, o santuário da "Grande Loja Branca"! Nós temos a prova.

INTERROGANTE: Isso começa a ficar emocionante! Se os Jesuítas estavam no Tibete no início da linhagem de Panchen Lama, considerado o "Papa secreto dos Tibetanos", podemos supor que eles podem ter influenciado uma organização cujo chefe se assemelha estranhamente ao General da Companhia de Jesus. Não esqueça o aspecto marciano em tudo isso. São ordens religiosas estruturadas como um exército pronto para lutar.
Dizemos que o Papa do Vaticano é o "papa branco" em oposição ao "papa negro", o General dos Jesuítas. Além disso, esses Jesuítas se instalaram em Shigatse, a cidade esotérica por excelência, a residência dos chefes ocultistas do Tibete que a Teosofia chamou de "mestres de sabedoria da Grande Loja Branca". Será que há relação entre os Jesuítas e a famosa "Grande Loja" do Tibete?

Sr. BHODYOUL: Você acertou! Eu quero parabenizá-lo, pois poucos pesquisadores são tão perspicazes assim. Eu conheço um ou dois esotéricos que têm conhecimento desses fatos e que sabem interpretá-los como se deve. As minhas pesquisas me mostraram que a fundadora da Teosofia, Helena Blavatsky, que revelou ao mundo a existência da confraria secreta do Tibete, não tinha conhecimento da presença dos Jesuítas em uma data tão antiga, ou seja, quase durante o nascimento de Lamaísmo moderno. Ela parece ignorar, a menos que ela escondesse, que missionários italianos foram aceitos nos mosteiros como estudantes de teologia, e eles redigiram os dicionários e os tratados em tibetano. Os universitários ocidentais escrevem as suas teses a partir de autênticos tratados de budismo tibetano escritos pelos Jesuítas! Você está me acompanhando?
Em todo caso, Blavatsky, apesar dos seus antolhos de médium, tem por vezes lampejos de lucidez. Mas ela é tão ligada fanaticamente à "Loja Oriental" que ela não se dá conta da presença dos Jesuítas em Shigatse, a cidade sagrada dos seus iniciadores ocultos. Seria para ela uma blasfêmia atrever-se a levantar o véu que ela afirma ter rasgado no seu livro Ísis Sem Véu. Assim, Ísis não foi desvendada.
Eu vou lhe contar um segredo sobre o destino da senhora russa que fundou a Teosofia: ela foi aprisionada magicamente por uma fraternidade maçônica ocidental, por que ela se recusou a cumprir as suas condições. Ela apenas foi liberada pela Loja oriental que a colocou, assim, em uma camisola oculta ainda mais sufocante. Este é o destino dos médiuns de nível elevado. Nessas condições, quando ela denunciou seriamente a influência dos Jesuítas do ocidente, Helena Blavatsky se esqueceu de que ela havia se tornado vítima dos Lamas-Jesuítas do oriente. Ninguém pode escapar do veneno, depois de ter ousado se aproximar do ninho de cobras da "Loja planetária". De qualquer forma, sou grato a Blavatsky por nos ter colocado na trilha da Loja oriental, pois os meus compatriotas tibetanos não têm ideia do que está por trás dos seus reverenciados lamas. O fato histórico de que os Jesuítas se infiltraram no Lamaísmo é de imensa importância para entender a política da nova ordem mundial e os acordos secretos entre a Grande Loja oriental, o Vaticano e as sociedades secretas ocidentais.

INTERROGANTE: Isso é extremamente preocupante quando sabemos que a ordem interna dos Jesuítas segue um plano para conquistar o mundo, sob o pretexto da religião. Podemos deduzir que o seu plano passa pelo Tibete e que, de uma maneira que nos escapa, os tibetanos colaboram com os Jesuítas para estabelecer uma teocracia global que assume a forma de uma religião ecumênica.

Sr. BHODYOUL: Deixe-me contar um pouco mais. Um jesuíta dos anos de 1630 que se tornasse estudante em um mosteiro era de fato reconhecido e iniciado como um monge lamaísta, o que significa que alguns lamas tibetanos são, na realidade, padres jesuítas. Você pode facilmente encontrar as provas nos livros de história que não têm nada de esotérico como, por exemplo, ‘A Civilização Tibetana’, do Professor R.A. Stein, Diretor de Estudos na Escola Prática de Estudos Superiores (em Dunod, Paris, 1962).
Na verdade, as coisas não são ditas claramente sobre este assunto, por que é aconselhado aos universitários a não denegrirem os contos de fada do Tibete. Alguns falam da presença dos Jesuítas no Tibete apenas a partir do século XVIII, ou seja, quatro séculos depois das primeiras visitas dos missionários ocidentais! Mas sabemos que os príncipes da casa de Orleans também estiveram presentes no Tibete.
Conhecendo o gosto dos Jesuítas pela magia e pela política, podemos imaginar que a sua presença em Shigatse é o sinal de um acordo especial entre a Companhia de Jesus e a "Grande Loja oriental". Não vamos muito rápido imaginar que um possa enganar o outro, mas verifica-se que em um momento histórico, o verdadeiro poder por trás do Vaticano negociou com o poder oculto oriental. Estes são os fatos.

INTERROGANTE: Será que o Panchen Lama, que você considera como o papa oculto do Tibete, estaria diretamente conectado com a mítica “Grande Loja branca”?

Sr. BHODYOUL: Por razões políticas e ocultas, os Panchen Lamas sempre estiveram próximos dos chineses, e é por isso que o mais recente - falecido no fim dos anos 80 - havia permanecido no Tibete e, em seguida, viveu na China. Pode-se ali ver o sinal de que o verdadeiro poder espiritual foi mantido na casa e que os chineses sempre o protegeram, se ele não tiver sido encurralado. Muitos aspectos são totalmente secretos, e os próprios tibetanos estão no mesmo estado de ignorância sobre a sua hierarquia como estão os católicos em relação à política secreta do Vaticano.
Os fatos são os seguintes: o Panchen Lama de Tashilunpo reside perto de Shigatse, onde os teósofos localizaram o centro dos iniciados da Loja oriental. Além disso, um desses iniciados, conhecido por Djwal Khool nos círculos da Teosofia e da Nova Era, admitiu que assumiu funções em um mosteiro. Será ele, o Panchen Lama, o líder espiritual do lamaísmo? Ou o Panchen Lama, que também chamamos de Tashi Lama, o nome da sua residência Tashilunpo, é apenas uma capa?
O budismo tibetano oficial parece ignorar a existência dos seus chefes ocultistas, o que é a regra no sistema fechado de uma sociedade secreta cujo círculo externo desconhece o círculo interno, e ninguém pode, portanto, se aproximar do núcleo. Assim, há pelo menos três círculos no plano físico, o maior é o lamaísmo oficial que se espalha na frente das livrarias e na mídia como a referência em matéria de espiritualidade. Ele dispõe de uma infraestrutura de milhares de centros culturais e de mosteiros na superfície do globo, e o seu líder, o Dalai Lama, é a estrela da mídia. Foram as Lojas que o colocaram neste pedestal, caso contrário, ele não seria mais famoso do que qualquer líder de uma minoria religiosa, mesmo curda ou indígena. É a fachada do negócio, o sorriso e as belas palavras. Ele é de uma habilidade extraordinária, e os seus chefes ficam orgulhosos dele.
Em segundo lugar, vem o poder real, que é representado pelo Panchen Lama. A diplomacia chinesa esconde o seu papel até declararem ter a criança para a sucessão ao título de Panchen Lama.
Enfim, há o núcleo oculto da loja de Shigatse, cidade perto Tashilunpo que é a residência do Panchen Lama, do qual podemos pensar que ele faz a junção entre o núcleo interno do Loja oriental e o lamaísmo fachada.
Este núcleo ideológico se tornou lendário por meio dos escritos teosóficos que falam como uma irmandade de seres imortais dirige a evolução humana. Certamente, eles têm poderes especiais, como aquele de se reencarnar no corpo de sua escolha, mas isso não fez deles liberados até agora. Muito pelo contrário. Eles são, antes disso, entidades atrasadas absolutamente fixadas no plano terrestre e que servem aos interesses políticos superiores. Eles usurpam os títulos e os nomes dos grandes santos e iniciados da antiguidade. Tudo isso é o filme na tela de Mara, o grande ilusionista.


A GUERRA MÁGICA

INTERROGANTE: Há uma literatura abundante sobre os mestres secretos da Loja do Tibete. Quem está no círculo interno desta Loja oriental? E qual é o propósito?

Sr. BHODYOUL: Eu descobri essas coisas durante as minhas pesquisas no ocidente, pois os meus amigos tibetanos são tão ignorantes sobre a sua religião como os cristãos sobre a deles. Eu não fui então ajudado nesse lado, mas, com o recolhimento, por vezes me vêm lembranças da juventude que esclarecem o lado escondido da cultura na qual eu fui criado.
Eu posso dizer com certeza que as lendas da "Grande Loja Branca" dos iniciados do oriente são um engodo, pois uma confraria secreta que se exterioriza publicamente, isso não existe! Podemos dizer, no máximo, que ela pode revelar a sua existência antes de se transferir para outro nível. Todos aqueles que afirmam ter estado em contato com a "Loja dos mestres do Tibete", e que se intitulam "discípulos dos mestres", foram ludibriados pelos intermediários. Inegavelmente, há uma fraternidade secreta que vigia a humanidade, mas não é do tipo que imaginamos em função do nosso condicionamento religioso infantil. Os seus objetivos secretos não vão na direção do nosso idealismo. Quanto ao idealismo, vamos ver como a chamada "Grande Loja Branca" utiliza o nosso sentimentalismo, fazendo-nos sonhar com uma série de ilusões românticas lançadas na atmosfera a partir do topo do mundo.
Eu afirmo e eu posso demonstrar que os rituais do budismo tibetano são magias negativas, e que as repetições lancinantes das invocações tem um objetivo específico e, eu diria, uma função científica. O que eu descobri foi corroborado por alguns clarividentes, aliás, muito raros.
A organização do lamaísmo é centralizada e hierarquizada para atender aos padrões de magia coletiva, as técnicas de meditação e de visualização não têm a intenção de libertar o mental, mas de emitir ondas de energia que são cuidadosamente canalizadas e propagadas na Terra.
Trata-se de uma gigantesca central de produção energética empregando dezenas de milhares de organismos humanos perfeitamente preparados, a fim de gerar um fluxo telepático a partir do teto do mundo, o que é uma situação excepcional para verter as ondas para o ocidente. Esta estação transmite, há séculos, na frequência das nossas aspirações e dos nossos ideais. Eu vou explicar como isso funciona, pois se trata de uma ciência exata.

INTERROGANTE: Você pode ali ir. Nós tentaremos acompanhar, mesmo isso requerendo um esforço. Pelo que você me disse, esta ciência é a chave absoluta para compreender a função de uma hierarquia sacerdotal.

Sr. BHODYOUL: A pureza do ar das alturas do Himalaia é particularmente condutora para transmitir sinais telepáticos de qualidade. Esses sinais são impulsionados com força, graças aos rituais repetitivos que acontecem dia e noite há vários séculos. É por isso que existe uma dupla hierarquia: aquela dos iniciados da “Grande Loja Branca” que selecionam o conteúdo das mensagens, e aquela dos lamas que dinamizam essas emissões telepáticas pelos seus exercícios espirituais, sem conhecer o verdadeiro sentido.
As milhares de cidades-mosteiros, que atraíram até 800 mil monges nos altos platôs do Tibete, tinha um outro objetivo além do estudo dos sutras e da meditação na vacuidade. É a maior empresa de propaganda de todos os tempos, mais potente do que o Islã ou Roma, pois o lamaísmo tem trabalhado em segredo. O verdadeiro poder é um poder secreto.

INTERROGANTE: Antes de prosseguir, se falamos de semelhança dos meios e dos objetivos entre os lamas e os Jesuítas, isso é por que eles utilizam as mesmas técnicas de visualização. Este método de projeção mental seria a base do sistema de conquista telepática dos ocultistas orientais?

Sr. BHODYOUL: Isso é verdade. Os exercícios de Inácio de Loyola são calcados nas técnicas de ioga tântrico indiano que foi adaptado pelo lamas. Além disso, o processo de despertar que se aplica a Loyola durante a sua "iluminação" foi baseado na técnica tântrica de sublimação da energia sexual. Isso nos mostra que Inácio de Loyola, o santo venerado pela igreja católica, é, na realidade, um iniciado vindo do oriente para realizar uma missão dentro do catolicismo.
Depois de ter fundado a sua ordem em Roma, no século XVI, Loyola envia imediatamente missionários à Índia, ao Japão, à China e ao Tibete para completar o circuito. Isso explica por que os Jesuítas foram bem acolhidos nos mosteiros, a partir do século XVII. Eles encontraram as suas raízes de alguma forma.
Seria preciso pesquisar se Tsongkahapa, o fundador dos Gelugpa (os boinas amarelas), dos quais o Dalai Lama é o chefe, não foi encarnado na pessoa do próprio Inácio Loyola depois de ter estabelecido firmemente o seu sistema de lamaísmo reformado no modelo da hierarquia católica. Loyola nasceu na Espanha por volta de 1490, ou seja, 70 anos depois da morte de Tsongkhapa (1419), que é um tempo aceitável para a reencarnação de um tulku. Acrescentando que a Espanha é a porta de entrada para os espíritos que vêm de outras civilizações quando eles se encarnam pela primeira vez na Europa. É preocupante constatar o quanto a reforma de Tsongkhapa, o fundador do lamaísmo moderno, é semelhante à ordem ultracentralizada de Inácio de Loyola. Um recorre a Buda e o outro a Jesus com um dogmatismo e um desejo de dominação bastante semelhantes, enquanto que as suas respectivas práticas não são nem budistas, nem cristãs, mas estão enraizadas no yoga e no desenvolvimento de poderes psíquicos.
É de se notar que estes dois grupos têm trabalhado com estratégias aparentemente opostas, como se estivessem competindo, o que certamente faz parte de um plano coerente do mais alto nível. De fato, enquanto o Vaticano lançou suas tropas em todo o mundo para fazer conversões pela espada, por outro lado, os tibetanos têm trabalhado de forma estática, concentrando-se no teto do mundo, a fim de espalhar a sua influência por telepatia.
Hoje, eles desceram para a planície a fim de completar a sua grande obra. Eles fundaram centros em todos os países do mundo. Aqui está ao que pode servir o exílio, à imagem da diáspora judaica que se estendeu em uma rede internacional que os rabinos controlam pela Lei mosaica e pelo Talmude. Os lamas tibetanos estão agora instalados em todos os países, embora ainda sendo um punhado de refugiados sem recursos​​, há cinquenta anos. Mas, o dinheiro não está faltando.

INTERROGANTE: De onde vem este dinheiro? Por que é preciso muito para manter milhares de monges não-produtivos e pagar a pensão das eminências do lamaísmo que têm o nível dos bispos, mantendo um gigantesco parque imobiliário de mosteiros e de centros culturais. Eles têm se beneficiado de tratamento especial, como se uma organização fantasma desviasse os obstáculos diante deles e assinasse cheques em branco. Nenhuma religião minoritária é tão privilegiada porque, geralmente, as comunidades são denegridas. Os grupos tibetanos não estão preocupados com os caçadores de seitas que preferem se agarrar a minorias cristãs, cujas regras são mais flexíveis. É como se os camponeses da Borgonha, de Dordogne e da Bretanha acordassem uma bela manhã com um mosteiro tibetano no final do seu campo, e eles dissessem na hora do aperitivo: "Para a nossa salvação, ainda há santos lamas que desceram do Himalaia para nos trazer a preciosa joia na Lotus!". A mesma coisa na Escócia, na Rússia ou na Martinica. Por toda parte! Há algo estranho, mas todo mundo acha que isso é normal, com exceção de alguns espíritos que questionam o lugar de destaque dado ao budismo das neves na fabricação de uma nova religião mundial. Se acreditamos nos livros tibetanos exibidos em livrarias espiritualistas, queremos nos converter à força. Mesmo os simpatizantes do budismo sentem um mal-estar diante de uma exibição descarada. Quem está por trás desta publicidade tosca tão pouco em harmonia com os princípios budistas?

Sr. BHODYOUL: Procurem o financiador! Sabemos que os americanos pagam uma anuidade para o Dalai Lama e que os "patrocinadores" Jesuítas ajudam muito. Isto levanta a questão sobre a fortuna dos Jesuítas. Eles teriam bancos fundados na pilhagem do ouro dos Índios da América Central e das suas piratarias na Ásia. Eles também enriqueceram no comércio de escravos já que eles estavam à sombra dos conquistadores, os seus capangas servindo ao trabalho sujo. Mas isso nos afasta do problema real. Qual é o objetivo político da hierarquia tibetana? Isso é o que nós precisamos compreender.

INTERROGANTE: Você falou sobre uma variedade de "ilusões mentais" que teriam moldado a cultura global atual, em seus aspectos políticos, culturais, científicos e religiosos. Esta análise vai parecer incrível para muitos, mas, na retrospectiva, nós dizemos que não pode haver outra explicação para a virada que toma a civilização planetária com seus valores fictícios e falsamente generosos que nos são impostos pela pressão da propaganda.
Como grandes mágicos do Tibete - não importa quem eles são - eles têm sido capazes de impor comportamentos e estilo de vida que acreditamos ser oriundos da modernidade?

Sr. BHODYOUL: Eu vou responder o mais claramente possível, se você concordar em abrir a sua mente para dados esotéricos que não são admitidos na sua cultura. Para nós, os orientais, a telepatia não é um mistério, mas um fato banal. Enquanto vocês estão preocupados em conquistar o mundo para construir o seu império material, nós desenvolvemos outras faculdades.
Os poderes psíquicos de um iogue não tem nada de milagroso, basta se concentrar e não ter pressa. Alguns conseguem levitar e produzir outras proezas tanto espetaculares quanto estéreis do ponto de vista espiritual.
Quando vocês reúnem centenas de milhares de iogues em meio a uma organização centralizada a fim de alinhá-los na mesma frequência psíquica na ajuda de rituais estabelecidos para esse fim, vocês vão iniciar uma usina mental de potência nuclear. Cada iogue é levado a obter um grande poder de concentração por meio de técnicas de visualização. Os métodos elogiados como sistemas de meditação para acalmar a mente utilizam imagens de divindades que precisam ser utilizadas para fazer viver pela imaginação.
O lama que medita sobre a imagem de uma deusa, deve, eventualmente, vê-la como se ela estivesse em carne e osso diante dele. Depois, ele deve aprender a dissolvê-la, o que não é evidente. Vocês veem o alcance destes exercícios? É exatamente isso que fazem os Jesuítas com os exercícios de santo Inácio que foram introduzidos em todas as religiões, em paralelo com o budismo tibetano.
Quando se adquiriu este controle da mente, vocês podem facilmente imaginar os resultados que podemos obter ao reunir milhares de monges-iogues que realizam um ritual de magia, ao mesmo tempo! Mas o Tibete tem funcionado com centenas de milhares de iogues assim formatados, alguns de níveis desiguais, mas o coletivo emitindo uma potência inimaginável.
Isso aí não é senão a máquina de propulsão - o combustível - porque, além da usina, há operadores conscientes que sabem como utilizá-la em momentos propícios, em função do curso do Sol e dos ritmos planetários.

INTERROGANTE: Isso é compreensível, mas com qual objetivo? Se for para a evolução, por que os tibetanos deram apoio a Lenin e a Hitler?

Sr. BHODYOUL: O que engana vocês é o conceito da evolução histórica. Há um progresso da civilização, mas ele é relativo. As mentes que dirigem os fluxos telepáticos atuam nos registros dos ideais de progresso e de evolução.
Eles sabem enviar comandos que nós tomamos para as nossas próprias aspirações. Isso vai da gama de utopias político-sociais até o messianismo, passando pelos bons sentimentos. Se quiserem manter o controle, é preciso oferecer uma ilusão positiva, mesmo se isso significar opor-se aos horrores para restaurar a esperança de um mundo melhor, ainda mais desejável.
Você menciona Hitler e é verdade que os lamas tibetanos o apoiaram. Os nazistas foram ao Tibete para ali serem iniciados em alguns segredos esotéricos. A escolha da suástica como símbolo do nacional-socialismo é o melhor exemplo. Mas os tibetanos traíram os sonhadores nazistas, e eles por fim contribuíram para a sua perda. Quanto a Lenin, ele era adepto da Loja oriental. Esta loja dos "mestres da sabedoria" está mais próximo de um genocídio como a maioria dos horrores que saíram do seu saco de surpresa, com, de sobra, a nova era e o ideal do melhor dos mundos.
Mas voltemos aos aspectos técnicos da central telepática. Há sete níveis de energia na natureza, sete qualidades desde os sólidos até o éter superior. Este éter superior preenche o espaço, e é de uma qualidade tão sutil que ele pode refletir as ideias. Nos momentos propícios, os fluxos de pensamentos são enviados para a atmosfera e são gravados no éter.
No homem, alguns centros são suscetíveis a esta frequência vibratória, por exemplo, a glândula pineal que os antigos consideravam como a sede da alma. É assim que o cérebro fotografa as ideias que estão no ar. Se a ideia for consistente com a sua aspiração pessoal, ela será retida pela sua consciência que se apropria dela. Então, vocês vão ali responder por uma reflexão consciente, e vocês vão reagir a este impulso. Esta resposta mental vai retornar para a fonte de emissão, e é assim que os operadores verificam o efeito da sua projeção, graças à sua tecnologia oculta. Eu vou tentar resumir.
Esta é a primeira fase do teste. Uma ideia é lançada no mundo e verificamos se ela encontra um eco nas mentes-alvo que queremos influenciar. Quando o teste é positivo, começamos a entrever o seu impacto através daqueles que "ficam quentes" com esta nova ideia. Estes são os "braços", aqueles que lançam as ondas e os movimentos de opinião. Em seguida, enviamos uma segunda emissão telepática que será, desta vez, de natureza emocional, estimulando a qualidade do éter abaixo do anterior. Ele é chamado de "éter luminoso". Eu estou passando os termos da tradição esotérica e em sânscrito.
Para esta operação visando o nosso emocional, os rituais mágicos à base de música, de cantos, de dança, de gestos sagrados, de incensos e de outros ingredientes, serão utilizados. A corrente será dirigida para aqueles que receberam o primeiro impulso e que reagiram positivamente na pele.
Trata-se então, para os mágicos operadores, de gravarem a sua mensagem no nosso sangue a fim de sintonizar a emoção com o pensamento. A cabeça e o coração são conectados com a ideia que se torna então como a nossa própria criação. Somos incentivados por esta "ideia generosa" e estamos prontos para agir a fim realizá-la. Eu resumi um processo muito complexo. Neste nível de preparação, a próxima fase de condicionamento é apoiada por escritores e pelos propagandistas da ideia em voga. Vocês podem verificar esse processo se você seguirem a evolução da sociedade através do espelho da mídia. Mas, sobretudo, o fato de ali dar atenção nos conecta com isso, em nosso detrimento.
Nós não queremos ficar fora do lance. É mal visto ser um estudioso que não está bem informado. É mal visto ser um reacionário, etc.. Onde quer que formos, o que quer que façamos, a propaganda está insinuando. Vocês vão ver que há algo para todos os gostos e todas as sensibilidades.
No nível mais baixo da operação de influência telepática, nós somos finalmente mobilizados pelo instinto de propagação que nos impulsiona a espalhar as nossas ideias, pelo desejo básico de procriação e de sobrevivência. Na fase mais material, os operadores devem assegurar que a nossa alimentação seja adaptada ao resultado que eles querem obter. Reflitam sobre a vontade dos nossos governantes de modificar os alimentos. Perguntem-se agora o que escondem as manipulações genéticas dos produtos naturais. Isso indica o nível de condicionamento que foi alcançado no nível das nossas faculdades superiores. Eu lhes dou aqui a resposta para muitas questões ambientais, tais como o aumento da radioatividade tão indispensável para levar o sistema nervoso a um nível vibracional negativo.
Dessa maneira, este processo mórbido acaba por nos tornar absolutamente convencidos da verdade das ideias que nos foram injetadas de maneira subliminar e, no estágio terminal, esta operação pode nos transformar em cães policiais da ordem estabelecida. Eu penso naqueles que vão ler as minhas explicações iconoclastas sobre o Lamaísmo Tibetano e que vão ficar chocados! Eu não tenho os meios mágicos da "Grande Loja Branca" para convencê-los! Eu falo como um homem comum, mas eles querem acreditar apenas nas autoridades.
Eu espero que essas explicações sumárias sejam suficientes, pois eu precisaria de uma verdadeira apresentação técnica, o que seria francamente indigesto. Cada um pode ali refletir por si mesmo, e se ele estiver atento aos sinais dos tempos, ele vai entender o que eu quero dizer.

INTERROGANTE: É difícil, de fato, imaginar como os cérebros coordenam tal operação. Mas sabendo que se trata de mentes dotadas de faculdades sobre-humanas, podemos admitir esta maquinação. Ali refletindo, isso nos esclarece sobre a destinação real desses mosteiros e desses rituais que não víamos realmente a utilidade espiritual. Resta ainda um ponto a esclarecer, é a finalidade deste jogo.


************

*OS CONTOS DE FADA DO TIBETE* - Parte 2: A DECEPÇÃO DO EVOLUCIONISMO





A DECEPÇÃO DO EVOLUCIONISMO
*Os Contos de Fada do Tibete*
Encontro com o Sr. Bhodyoul
Autor: Joël Labruyère

 Sr. BHODYOUL: Este é provavelmente o aspecto mais difícil de entender, os espiritualistas tradicionais vão dizer que isso é salutar, que há uma fraternidade que faz evoluir a civilização humana. Este é o argumento que sempre volta: a EVOLUÇÃO! Os “mestres” nos ajudariam a evoluir ao longo dos tempos, e este plano é tão grandioso que não podemos compreender os seus métodos. Isso é fundamentado no dogma de uma evolução ascendente rumo a um mundo cada vez mais perfeito. Isso é absolutamente contrário aos fatos e à entropia universal, mas esta ideia é o dogma dominante na nossa cultura. Nós pensamos que tudo irá cada vez melhor; que nós nos elevamos vida após vida rumo às alturas da perfeição, até nos tornarmos semelhantes aos deuses. Esta teoria não sofre mais contradição na maioria dos círculos espiritualistas pois, sem ela, a vida seria um absurdo. Refutar este dogma evolucionista não é mais tolerado, e ele os leva a um aniquilamento se vocês ali se arriscarem. No entanto, a teoria da evolução progressiva para a perfeição é uma fonte de sofrimento e de desilusões tão infinita quanto esta própria evolução. Segundo as tradições antigas, a evolução fica girando e o tempo morde o rabo descrevendo círculos sem fim, até que decidimos sair. É preciso evadir-se do círculo do tempo. Este é o objetivo da verdadeira religião: a imortalidade.
Ora, os poderes que vivem no tempo cíclico não querem que escapemos, porque isso significaria o fim desse cenário. A mensagem original de Buda era um apelo para sairmos do feitiço do circuito da evolução fechada, mas os guardiões do sistema temporal contra-atacaram divulgando a doutrina da evolução progressiva.
Eles dizem: "Com o tempo, vocês vão se tornar deuses em uma Terra perfeita. Não procurem uma outra saída.". Vamos nos perguntar, quanto tempo esta ideia está no ar, e quem a trouxe, no início?
A doutrina evolucionista é uma ideia religiosa tradicional? Ela está contida nos ensinamentos dos grandes sábios do passado? Não se trata de uma interpretação que teria sido desviada do seu sentido original? Cabe a cada um se perguntar, pois eu não quero atacar um dogma com outro dogma. Entretanto, nós observamos que o evolucionismo espiritual é uma ideia moderna específica, expandida pelos lamaístas e pelos adeptos da Teosofia oriental, que é a ideia fixa. O dogma incontornável, a doxa suprema.

INTERROGANTE: Em que isso é tão importante? Esta é apenas uma ideia e ideias mudam a todo momento. Mas você está certo quando diz que os grandes sábios como Buda e Jesus Cristo não pregaram o evolucionismo espiritual, mas, de preferência, o desprendimento da ilusão da existência por um esforço radical durante a vida.

Sr. BHODYOUL: Eu quero simplesmente mostrar que esta teoria nos foi inspirada pela Grande Loja oriental. Foi ela que fundou a organização do lamaísmo com o objetivo de irradiar esta ideia e todas as ilusões dali derivadas. Eu me explico: se chegarmos a nos convencer de uma ideia supostamente capaz de responder à questão essencial da existência, então podemos nos condicionar a aceitar as suas implicações em todas as áreas da vida. Eu gostaria de tentar ser o mais claro possível ...

INTERROGANTE: Se entendemos bem, segundo você, a teoria evolucionista só pode ser aplicada a fenômenos naturais e somente de maneira relativa, já que tudo é cíclico e que as coisas sempre retornam ao seu ponto de partida. É por isso que os antigos hindus, e outras civilizações, recortaram o tempo circular em quatro ciclos desiguais como a Idade do Ouro, a Idade da Prata, a Idade do Cobre e Idade do Ferro. Depois, a Idade do Ferro retorna à Idade do Ouro, etc.. Trata-se apenas da história do mundo e é por isso que a tradição universal diz que o princípio da identidade humana não é afetado por esses ciclos. A nossa alma seria então colocada nessas condições de mudança, sem afetar a sua imutabilidade como partícula divina. É essa a ideia tradicional?

Sr. BHODYOUL: Com as variantes, esse é o fundamento da filosofia eterna - a Filosofia Perene. Quando examinamos os mitos sagrados das revelações religiosas originais, todos eles dizem a mesma coisa. Mas assim que essas religiões se instalam no tempo, elas invertem a sua mensagem inicial para fins temporais. Com o tempo, isso precisa continuar, e a sobrevida temporal suplanta a busca pela eternidade. Durante o ciclo atual que chamamos de “Idade das Trevas”, está escrito que a verdade foi perdida e que ela foi substituída por ilusões tão bajuladoras que todos os homens adotam como sendo a “verdade”. Ora, não há nada mais agradável de ouvir para o homem civilizado do que a ideia de que ele é um deus em evolução e de que, pouco a pouco, ele se aproxima da perfeição. Esta perfeição pode ser vista como um objetivo individual ou social e, nesse caso, a ciência vai realizar a salvação redentora. O dogma da evolução vai ganhar em todas as frentes, tanto científica como espiritual. O progresso se torna uma religião que traz novas esperanças sempre renovadas.
Nesta "Nova Era" da Idade das Trevas, a espiritualidade é vista como uma sucessão de melhorias psíquicas com a promessa final de obter o nirvana. A busca pelo sagrado desaparece diante do desenvolvimento pessoal. Então, muitas ilusões devem necessariamente aparecer já que o caminho disso está escancarado. Esta é a regra do "sempre mais e sempre melhor", com resultados incontestáveis em certos níveis, mas sem que o problema fundamental da vida e da morte fosse resolvido. Foi assim que, durante vários séculos, algumas ideias adquiriram poder. Uma ideia nunca sai de vazio, mas ela é sempre produzida por um cérebro pensante. No caso, a Loja oriental afirma ter trazido a ideia de um progresso espiritual para o planeta e seus habitantes. Este progresso deveria estabelecer um reino divino sobre a Terra e eliminar todos os males, ali incluindo a doença e a morte. É a sua ideologia, e é natural que possa seduzir muitos. Mas, cuidado, isso é uma ideologia que quer alcançar o Bem por oposição ao Mal. Este idealismo é reativo e ele pode absolutamente não estar em harmonia com as leis cósmicas. Trata-se de uma ilusão típica da Idade das Trevas, então, aqueles que a divulgam têm um interesse vital. Se acreditamos no poder que eles revelam para nos convencer das suas ideias, isso significa que esta propaganda deve também lhes assegurar um progresso. Vocês entenderam este objetivo da alta política? Eles estão prestes a instalar uma civilização inteiramente centrada na esperança do progresso material e da evolução espiritual. Por que eles fazem isso? Por que este esforço? Por que esta incrível maquinaria para condicionar as massas, unificando-as em torno de ilusões bajuladoras como a unidade, a paz e a fraternidade humana?
Há ilusões para cada tipo humano, desde o rude até os mais sofisticados. Se vocês estiverem receptivos a tal ilusão, vocês irão combinar com uma pessoa mais afinada com o seu estado. Eu descrevi acima como eles fazem para nos apanhar.

INTERROGANTE: É muito fácil escapar de uma impressão mental de ordem mais baixa ou muito negativa, mas ninguém escapa às ilusões agradáveis​​, especialmente quando se trata de ideais aparentemente nobres e humanistas.

Sr. BHODYOUL: Vocês compreenderam o problema dos tempos modernos. Não podemos fugir da civilização, mesmo se refugiando em uma caverna. É preciso se adaptar e abrir os olhos para não ser pego. Aquele que se entrega corre o risco de perder a sua alma enquanto acreditando melhorar. Esta é a Idade das Trevas. Mas eu não gostaria de dramatizar demais, pois eu acredito na força do Espírito e na libertação final.

INTERROGANTE: Você pode fazer um prognóstico sobre os próximos prazos planetários? Quem vai ser bem sucedido?

Sr. BHODYOUL: Eu o tranquilizo imediatamente, a menos que você não compartilhe a minha visão - o que é perfeitamente compreensível, porque muitas pessoas de coração aberto são, hoje, alvo de uma ilusão de duas formas: ou pela exaltação por um mundo melhor, ou pela depressão diante das perversidades da época. Os tempos são difíceis, e esta depressão expressa a recusa de se deixar levar pelas ilusões que entrevemos como irreais e finalmente geradoras de decepção. Veja a miséria dos meios da nova era, esta luta por "um ser melhor", agarrando-se aos regimes e às técnicas superficiais de desenvolvimento pessoal, cujo efeito positivo se manifesta, sobretudo, assim que nos entregamos. Você me acompanha? Eu vou passar os detalhes deste tráfego.
Há esperança de que isso cesse? Tudo depende da nossa força interior para recusar as solicitações que estão no ar. Segundo fontes confiáveis, a fraternidade oriental vai perder o jogo porque uma outra fraternidade está atualmente ocupada em frear o processo de repressão da consciência.

INTERROGANTE: Finalmente! Aí está o que é preciso nos dizer. Se você me permitir, eu vou dizer que você não é um oriental. Você tem a arte de nos levar à beira do abismo para melhor estendermos a mão no momento da queda. Assim, você diz que os seus compatriotas lamaístas vão perder o jogo porque outra fraternidade vai quebrar o plano da nova ordem mundial. Esta é uma perspectiva animadora para aqueles que sofrem sob o jugo do mundo moderno.

Sr. BHODYOUL: Primeiramente, um esclarecimento sobre os monges tibetanos. Os meus compatriotas não estão envolvidos, mas eles são vítimas da sua devoção. Isso os oprime magicamente mantendo-os em reclusão sob o jugo de um religião retrógrada oriunda da Atlântida.
São os tulkus-fantasmas que são culpados, aqueles que nos usam como gado para servir aos seus objetivos políticos de conquista mundial. Certamente, eles ainda não derrotaram o coringa que deveria propiciar um pouco de descanso frente à fraternidade que irá destruí-los.

INTERROGANTE: Você joga no suplício chinês ou tibetano?

Sr. BHODYOUL: Sua última carta, isso será proclamar que a esperança de todos os povos foi finalmente conseguida. Este será o anúncio internacional de que Cristo retornou à Terra, e isso sob todas as nuances das diversas culturas.

INTERROGANTE: Nós já discutimos esse assunto no Undercover No. 1, sob o título Blue Beam que é um projeto da NASA para fazer aparecer "seres celestes".

Sr. BHODYOUL: Sim, este projeto tem como objetivo produzir hologramas imitando as divindades dos panteões religiosos. Mas, você já pensou que a Loja oriental pode fazer aparecer anjos e seres invisíveis revestidos de luz astral? Nossos guardiões da "evolução", que sabem tão bem nos influenciar filosoficamente, têm também o poder de subjugar criaturas dos mundos invisíveis e trazê-las até o limiar da nossa Dimensão por meio de métodos mágicos. Trata-se, então, não somente de tecnologia. Os anjos também se fazem aprisionar. Enfim, os irmãos orientais prepararam um ser que eles chamam de Maitreya - usurpando o nome do futuro Buda - para fazê-lo assumir o papel do Messias. Nós não sabemos, aliás, do que ele vai salvar a Terra, já que todos os problemas foram criados pela Loja oriental em conjunto com as lojas do ocidente. Primeiro, eles sabotam e, em seguida, eles vêm vender o seu serviço de guincho. Eles são mentirosos por princípio, pois, há milhões de anos, eles se engajaram no caminho da fraude, e eles estão condenados a prosseguirem sob o risco de desaparecerem. Mas chega um momento em que as suas abominações se voltam contra eles, e nós não estamos mais longe desse momento. Porém, eles devem percorrer até o final, para o seu julgamento ser selado. Por que, os poderes superiores os empurram para se afundarem na mentira e na blasfêmia.

INTERROGANTE: Nós não retiramos a sua permissão para prejudicar?

Sr. BHODYOUL: É preciso que o escândalo chegue. Primeiramente, por respeito ao livre arbítrio da humanidade. Em seguida, porque as ilusões nos ajudam a tomar consciência. A consciência é o que está em jogo no universo. Tudo isso é um jogo grandioso e o sofrimento é também uma ilusão. Então, uma fraternidade secreta que não trabalha de acordo com o eixo Leste-Oeste - como aquele do Himalaia - opõe-se atualmente à estratégia totalitária da nova era e da ordem mundial.
Honestamente, eu não sei mais, e não é preciso correr o risco de trair este plano. Se esta fraternidade irradia do Norte para o Sul, nós podemos compreender que ela cruza o eixo Leste-Oeste em lugares onde deve surgir uma luta titânica entre esses dois grupos mágicos.
Eu acrescentaria que esta fraternidade do “Norte”, se for apropriado nomeá-la assim, não deve ser confundida com a fraternidade espiritual regular que se ocupa da liberação espiritual da humanidade e de onde vieram os grandes mensageiros divinos. Esta fraternidade não entra em luta com as forças terrestres.

INTERROGANTE: Espere. Nós gostaríamos de saber se esta fraternidade do Norte, como você a chama, tem por objetivo impor um governo mundial.

Sr. BHODYOUL: Não, caso contrário ela não iria se opor à Loja oriental que alimentam as ilusões globalistas. A fraternidade do Norte tem uma missão diferente, mas na ausência de informações diretas, nós ficamos reduzidos às circunstâncias. Eu creio que refletindo sobre as diferentes teses, nós devemos chegar à verdade. Se vocês fizerem uma lista das muitas ilusões propagadas pela Loja oriental, vocês podem encontrar o objetivo da outra fraternidade, por eliminação. Falamos sobre o retorno de Cristo ou de uma nova ordem mundial? Falamos de uma única religião mundial? Falamos de uma sociedade socializada tecnocrática? Falamos de uma utopia igualitária? Falamos de uma grade de luz circundando Terra e dos mestres ascensionados à moda da nova era? Então, não se trata da fraternidade do Norte, mas da propaganda dos artistas milenares do teto do mundo.
O programa desta fraternidade secreta não é político, mas vai simplesmente remeter às condições planetárias em harmonia com as leis universais. Mais do que impor um programa político, ela tenta desviar os perigos mais ameaçadores. Trata-se então de uma força pacífica que vai corrigir os erros e os excessos da Loja oriental e de outros grupos de Illuminati.
Esta fraternidade dispõe de uma magia poderosa, mas que não viola as leis naturais e a consciência humana.
O aparecimento desta fraternidade lançou a Loja do Tibete e o lamaísmo em um grande medo, pois este grupo empreendeu uma guerra total contra esses manipuladores. Por isso, os mestres da ordem mundial estão ocupados se armando até os dentes e eles colocaram equipamentos de monitoramento nos quatro cantos do mundo para tentarem identificar o mínimo movimento que pudesse ameaça-los.
Um iniciado escreveu: “A fraternidade lamaísta vai tentar reagrupar as forças dispersas, uma tentativa que vai provocar inelutavelmente uma produção intensa de energia.
O mundo material é povoado por diferentes formas de vida; é o mesmo no que se refere ao além.
Esta grande luta pela existência vai adquirir cada vez mais o caráter de uma fortificação. A fraternidade lamaísta vai tentar, por meio da magia, aumentar artificialmente, até um calor febril, a tensão nervosa tempestuosa que predominou no mundo durante tanto tempo, a fim de incitar a humanidade a ações desprezíveis que serão, mais tarde, amargamente lamentadas.
Se esta tentativa funcionar - como nós esperamos e acreditamos - irá se desenvolver em meio à fraternidade lamaísta um estado de crise que vai provocar atos desesperados. Eles irão se manifestar por violentos fenômenos de fogo na atmosfera, resultantes da enorme restrição da vontade dos magos que impõem suas exigências à humanidade.”.

Eis uma declaração de Dwjal Khool - dito o Tibetano - que foi o porta-voz da Grande Loja Branca (Grande Fraternidade Branca) até o período dos anos 50. Ele se comunicava através de Alice Bailey que transcrevia as suas mensagens. Esses ensinamentos continuam sendo a bíblia dos gurus e dos canais da nova era.
Aqui, o Tibetano faz apologia à bomba atômica considerada como uma arma divina. Esta confissão é a prova irrefutável da loucura criminosa dos mágicos, prontos para explodir o mundo a fim de estabelecer a sua nova ordem mundial.
Para aquele que compreende o que significa a violação do átomo, do fundamento da ordem natural, não pode haver questão de compromisso; a energia nuclear abre o poço do abismo.
Os magos se apossaram do lamaísmo e de muitas organizações iniciáticas e religiosas. Eles se fizeram passar pelas encarnações de Jesus, Buda, Krishna, Hermes, Zoroastro, Pitágoras e até mesmo de George Washington ou Joana d’Arc. Eles anunciam que a sua manifestação pública é iminente. Ela vai começar com a aparição de Cristo-Maitreya, o líder da sua religião mundial. Esta é uma paródia grosseira do retorno de Cristo. Muitos seres foram enganados através da nova era e da promessa de uma idade de ouro. Um exército de falsos profetas ardorosos guiam os inconscientes para os caminhos da ilusão.
A Grande Loja Branca estendeu a sua influência a todos os organismos internacionais, incluindo a ONU, a UNESCO, a Organização Mundial de Saúde, entre outros, e aos círculos globalistas onde os seus agentes Illuminati trabalham para a realização do seu plano nas esferas financeiras, políticas e culturais.
Os seguidores do Tibetano afirmam que os nossos críticos fazem o jogo da “Loja Negra”, mas eles devem entender que, do nosso ponto de vista, a sua "Grande Loja Branca" é um retransmissor das forças da sombra. A Loja Branca é um departamento da Loja Luciferiana, que é dividida em "preto e branco". Os espiritualistas são enganados pelas aparências de sabedoria e da casuística jesuítica do Tibetano.
A declaração de Dwjal Khool sobre a bomba atômica não resiste mais à análise filosófica senão no bom sentido moral. Ela revela que os magos do Tibete estão desesperados, e eles estão prontos para semear o caos e terror.
Os argumentos do Tibetano constituem um julgamento severo para aqueles que, apesar da patologia grave dessas doutrinas, tentam justificá-los. "A fissão do átomo" é puro satanismo. Por que a energia atômica para fins "espirituais"? A Loja oriental precisa elevar o nível de radioatividade para aumentar o seu controle sobre a humanidade. É um programa de poluição nos coloca "sob tensão". Ao propor os benefícios da bomba atômica, o Tibetano confessa, em outro local, que as "explosões nucleares subterrâneas permitem eliminar adversários invisíveis". Do que se trata isso? As pesquisas esotéricas mostram que os seguidores da Loja oriental tentam destruir as fraternidades que não querem entrar no seu jogo ou que ali se opõem. Nós entendemos assim que a função secreta da força de ação atômica é alimentar uma guerra oculta sob o disfarce de experiências "pacíficas". Obrigado, Sr. Tibetano!

___________________________


ANEXO: A LIBERAÇÃO DA ENERGIA ATÔMICA
Comunicação do “Tibetano”, em 09 de agosto de 1945.

« Hoje eu quero falar com vocês do maior evento espiritual que ocorreu desde o surgimento do reino humano, o quarto reino.
Eu quero falar da liberação da energia atômica, conforme relatado esta semana, nos jornais de 06 de agosto de 1945, e em relação ao bombardeio do Japão.
Há alguns anos, eu lhe disse que uma NOVA ERA seria introduzida pelos estudiosos e que o estabelecimento do reino de Deus sobre a Terra seria precedido pelo sucesso das pesquisas científicas. Esta primeira etapa foi realizada pela liberação da energia atômica, e a minha profecia foi justificada neste ano muito importante, o Ano da Graça de 1945.
A atenção do homem está geralmente voltada para os aspectos externos da vida. No entanto, todas as descobertas, tais como aquelas que implicam na revelação da radioatividade ou aquela que foi anunciada esta semana, e que marca no tempo os primeiros passos da domesticação da energia cósmica, é sempre o resultado de uma pressão interna, emanando Forças ou Vidas que se encontram nas esferas superiores. Essas próprias pressões funcionam segundo as leis do Espírito e não apenas pelo que chamamos de leis da natureza; elas são o resultado do trabalho de impulsão de certas grandes Vidas, em relação com o terceiro aspecto da divindade, o aspecto da inteligência ativa, e se fixando no aspecto da substância ou da matéria da manifestação. A motivação para tais atividades é procedente da Shamballa.
Houve uma irrupção claramente dirigida de energia extraplanetária liberada pelos senhores da liberação que haviam sido invocados com sucesso; o impacto desta energia sobre a substância atômica, a base de pesquisa dos cientistas, ali fez modificações que lhes permitiram ter sucesso.
Um esforço em concerto foi realizado por alguns discípulos trabalhando nos ashram do quinto e do sétimo raio, o que lhes permitiu impressionar a mente dos discípulos menos adiantados no domínio científico, e ajudá-los a superar as dificuldades intransponíveis ​​que eles encontravam.
A liberação da energia do átomo ainda está em um estágio muito embrionário; humanidade mal sabe a extensão ou a natureza das energias que foram derivadas do átomo e liberadas. Existem muitos tipos de átomos constituindo "as substâncias do mundo", cada um pode liberar o seu próprio tipo de força; este é um dos segredos que a nova era irá revelar, mas um começo bom e sólido foi feito. Eu gostaria de chamar a atenção para as palavras "liberação da energia". Esta libertação é a tônica da nova era, assim como ela sempre foi a tônica do aspirante orientado espiritualmente. Esta liberação começou por liberar um aspecto da matéria e algumas forças da alma em meio ao átomo.
Para a matéria, esta foi uma grande e potente iniciação, análoga àquelas que liberam a alma dos homens.
Neste processo de iniciação planetária, a humanidade revelou o seu trabalho de salvador do mundo no mundo da substância, e afetou as unidades primordiais da Vida que são feitas de formas.
Agora vocês irão compreender o significado das palavras usadas por muitos de vocês na segunda das Grandes Invocações: para a força salvadora, chegou a hora de servir. Esta força salvadora é a energia que a ciência liberou, primeiramente para a destruição daqueles que continuam (se eles o fizerem) a desafiar as Forças da Luz trabalhando através das Nações Unidas.
Depois, à medida que o tempo passar, a energia liberada vai apresentar a nova civilização, um mundo novo e melhor e condições mais delicadas e mais espirituais, os sonhos mais elevados daqueles que amam os seus semelhantes podem se tornar possibilidades práticas, pelo emprego correto desta energia liberada, se os verdadeiros valores forem ensinados, iluminadas e aplicadas à vida diária. Esta "força salvadora" vai ser colocada à disposição da ciência, e a profecia que eu fiz anteriormente se justifica. »

Na profecia publicada em 1934 no livro de Alice Bailey ‘Um Tratado sobre Magia Branca’, o Tibetano declara:

« Poderíamos notar aqui que três grandes descobertas são iminentes que, para as duas próximas gerações, vai revolucionar o pensamento e a vida moderna. Um já foi abordado e foi objeto de experiências e de pesquisas, a liberação da energia atômica. Isso vai mudar completamente a situação econômica e política do mundo.
Cabe às Nações Unidas impedir o uso indevido desta energia liberada, e assegurar que o seu emprego não seja prostituído com fins egoístas e com objetivos puramente materiais. Trata-se de uma "força salvadora" e ela tem o poder de reconstruir e reabilitar. A sua utilização adequada pode eliminar a demissão, trazer conforto para todo o planeta; a sua expressão, na forma de modo correto de vida, se ela for motivada por boas relações humanas, irá produzir beleza, calor, cor, eliminação das atuais das doenças, eliminação para o gênero humano de todas as atividades que envolvem a vida ou o trabalho no subterrâneo. Ela vai acabar com a escravidão humana, com qualquer necessidade de trabalhar ou de lutar para adquirir bens e tornar possível um tipo de vida que vai dar ao homem a liberdade de perseguir os objetivos mais elevados do espírito. (Ufa!)
Mas, meus irmãos, alguns homens irão lutar para impedir isso; os grupos reacionários de todos os países não irão reconhecer a necessidade, e não irão desejar essa NOVA ORDEM MUNDIAL que a liberação de energia cósmica pode tornar possível.
Esta nova energia liberada pode demonstrar ser uma "força salvadora" para toda a humanidade, eliminando a pobreza, a feiura, a degradação, a escravidão e a falta de esperança; ela vai destruir os grandes monopólios, eliminar a maldição do trabalho operário, e abrir a porta da ERA DE OURO que os homens esperam. Quando forem estabelecidas essas novas e melhores condições, os homens então serão livres para viver e se mover na beleza, e procurar o "Caminho da Luz". »

Extraído de ‘A Exteriorização da Hierarquia’ de Alice Bailey, a médium de DJWAL KHOOL - Edições Lucis Trust.

************

Entrevista publicada no Centro de Pesquisas sobre a Ordem Mundial (C.R.O.M.):

***

Tradução para o português: Zulma Peixinho

Postagens mais visitadas deste blog

TESTE PARA SABER SE VOCÊ É SENSITIVO

OS TIPOS SENSITIVOS E QUE CUIDADOS TOMAR

ERVAS MÁGICAS PARA BANHO SEGUNDO OS DRUIDAS