AS 10 LEIS DA MAGIA QUE PODEM MUDAR SUA VIDA


As 10 leis da magia que podem mudar a sua vida

A número 11 é tão boa que pode não existir!

  
Tudo bem, usei de mais um recurso apelativo no título para tentar enfeitiçar você um pouco, mas infelizmente não sou nenhum grande entendedor do mundo arcano1, então pode ser que não tenha dado muito certo.
Mas se mesmo sem ser enfeitiçado seu objetivo é se divertir e colocar um pouco de magia em sua vida, este texto é para você!
E caso esteja pensando que não tem nada a ver com o assunto por não saber do que se trata e achar que isso só serve para magos, confira este texto e saiba como virar um.


Antes de mais nada...

A magia é uma arte secreta muito complexa que lida com poderes e fenômenos além de nossa humilde capacidade. E a humanidade, como não poderia deixar de ser, em sua eterna busca por conhecimento e poder a vem estudando por séculos, tentado cada vez mais compreendê-la e utilizá-la. E essa dedicação resultou em grandes conhecimentos e, consequentemente, grandes magias.
Não sendo bom nem mau em si mesmo, este poder pode ser usada para trazer bonança, prosperidade assim como pode trazer catástrofes, tragédias e destruição. E curiosamente, como os grandes sábios e magos poderoso sabem muito bem dos perigos de usar estes poderes (isso se já não os sentiram na pele), os grandes causadores de tragédias são principalmente aqueles que se metem com a magia sem saber o que estão fazendo.2 Para ela, inocência ou boas intenções não fazem diferença nenhuma.


http://contraversao.com/wp-content/uploads/2013/07/magic1.jpg
Por isso, em um esforço para evitar seu uso de forma inconsequente, foram realizados muitos estudos, discussões e mesmo algumas brigas acadêmicas (com a direito à transformação de opositores em sapos) que resultaram na categorização das propriedades essenciais de qualquer fenômeno mágico, as 10 leis da magia. Estas representam os conhecimentos básicos para qualquer um que deseje utilizá-la uma forma responsável, consciente e sustentável na contemporaneidade.
Independentemente se o objetivo é soltar uma bola de fogo, pedir paz mundial, curar unha encravada ou usar de palavras mágicas de um modo enfadonho e cheio de truques lógicos em títulos de textos, todo uso de poder mágico segue as mesmas regras, princípios universais que seu usuário deve considerar. E arcar com as consequências.
Então, para você que quer saber mais sobre o assunto e fazer um uso politicamente correto de seus poderes, estas leis são fundamentais, contendo em si mesmas uma sabedoria, que traz grandes poderes, mas também grandes responsabilidades3.
Por isso, tome muito cuidado com como usa a magia e com o que o que deseja, pois isso pode se realizar. E lembre-se  do conhecimento que está contido nesta passagem cantada: “.. você quer brincar com mágica? […] Você deveria saber com o que está lidando4“.
Tendo isso em mente, vamos la!


1- Lei do Contágio

A lei do contágio diz que todo contato que é estabelecido cria laços, sendo que quando mais íntimo este, mais forte o laço estabelecido. E quando algo faz parte de alguma coisa, este algo será sempre parte do todo, não importando quão separado fique posteriormente.
Esta lei fundamenta o uso de pedaços de unha e fios de cabelo como se estes fossem a própria pessoa, assim como o fato de peças de roupa, objetos queridos e um cheiro nostálgico sempre poderem remeter a alguém. A tradição de utilizar pendentes que se completam para representar a união entre duas pessoas, os quais podem se quebrar junto com seus relacionamentos, também tem relação com isso.



http://www.opequenoprincipe.com/imagens/aboutPns/aboutRaposa.png
Outro efeito do contágio é que uma pessoa sempre deixa um rastro eterno em tudo com que entra em contato, o que muitas vezes é representado, simbolicamente, por linhas que ligam pessoas. Efeito fortemente sentido nos casos de falecimentos e despedidas, uma grande maga, a raposa, versa sobre o assunto no esotérico livro: O “pequeno príncipe”, ao falar que “somos eternamente responsáveis por aqueles que cativamos”.


2- Lei da Simpatia

Todo semelhante atrai seu semelhante. Esta lei tem tanta importância que há diversos livros secretos sobre o assunto da atração dos iguais. 
Toda magia age sobre ou através de coisas semelhantes, as atraindo. Por exemplo, é possível fazer sobre uma foto ou boneco de uma pessoa uma magia, a qual é então “atraída” para a pessoa em questão. O uso de símbolos, amuletos e imagens em diversos rituais e tradições, como uma figa de metal para atrair a sorte, fundamenta-se neste princípio.

http://www.goodreads.com/book/show/13237327-the-magic
Em um outro nível, as energias mágicas similares também são atraídas, o que significa que uma pessoa que se use de poderes determinados, atrai para si mesma energias do mesmo tipo. Por exemplo, alguém que usa de muitas energias destrutivas poderá acabar cercado de eventos muito destrutivos, ou uma mulher grávida, com energias maternais, poderá começar a encontrar muitas outras grávidas aleatoriamente.
Lembre-se de sempre tomar um cuidado duplo com relação a isso, pois muitas vezes o que parece ser o oposto exato é, na verdade, muito mais semelhante do que parece...


3- Lei da Correspondência

Apesar do que parece, esta lei não vem pelo correio. Ela se refere à existência de uma correspondência entre as coisas, pois “tudo o que esta abaixo também esta acima” e “tudo o que está dentro também está fora.”
Esta é a lei que fundamenta a astrologia (que demonstra como o que está no céu corresponde ao que ocorre aqui na terra) o tarô (que apresentaria uma correspondência à pessoa que o joga) a observação dos aspectos físicos de uma pessoa (que demonstra suas emoções “interiores” para “fora” de si) ou mesmo é reflexo de percepções como a de que um prato de comida reflete a cozinha em que este foi feito (por isso encontrar fios de cabelo ou alguns outros “problemas menores” podem indicar uma correspondência com “grandes problemas”).
É assim que os reis magos, ao verem uma estrela cadente, souberam do nascimento do filho de Deus, muitos xamas entram no "mundo das sombras”, onde buscavam sobre ervas medicinais para então retornar e localizar suas correspondentes no nosso mundo e diversas obras de arte são produzidas, magicamente, com uma correspondência direta ao “mundo” de seu autor e seus observadores.


4- Lei do Consentimento

Caso não haja o consentimento de uma das partes, a magia se torna tão difícil que é quase impossível de ser efetuada. Esta lei leva muitos a acreditarem que a magia se constitui como uma espécie de quebra-cabeças, que só funciona caso as peças se encaixem.


Toda magia fica mais difícil quando envolve alguém que não a deseja (como se fosse necessário forçar duas peças a se encaixarem) e fica quase impossível quando o alvo é alguém que sequer acredita na possibilidade da realização da mágica (como quando simplesmente não há o que encaixar entre duas peças).
Magos orientais falavam sobre a importância do vaziopara não ser em afetado por mágicas. Samurais treinavam para ter uma energia vazia, sem intenções de batalhar, o que impedia que seus oponentes o atacassem. Poções do amor necessitam de muito mais potência quando o alvo odeia a pessoa que usa desses sortilégios e, quando o alvo desconhece, não tem sentimentos em relação ao feiticeiro ou, pior ainda, sequer acredita na possibilidade da existência do amor, qualquer poção se torna praticamente inútil.
Uma maga, conhecida minha, quando tem que passar por um local com uma energia masculina distorcida, sempre faz o encantamento de proteção “vou passar direto e ninguém vai me dar uma cantada”, evitando deste modo grande parte da manifestação física dessa energia “criadora de pelos nas mãos”.


5- lei da troca equivalente

Muito famosa para os que lidam com alquimia, especialmente as cheias de metal, esta lei diz que tudo tem o seu “valor mágico”, sendo que para conseguir determinado efeito é necessário oferecer algo em troca de mesmo valor.
Por isso, para obter uma dádiva mágica, o mago deve fazer um sacrifício de igual valor. Por exemplo, para conseguir sabedoria, tem que dar seu tempo em troca enquanto lê os livros mágicos, para ter alimento, o homem deve dar em troca seu trabalho, para ter um celular, tem que trocar este por dinheiro (só dinheiro, quando é barato), para ser amado, tem que amar.
Esta é uma lei um tanto misteriosa e complexa, pois muitas vezes não é fácil de precisar o valor mágico de algo. Muitas vezes o “preço” é muito maior do que o esperado e o “pagamento” pode ser algo não considerado anteriormente. Inclusive, para os incultos na arte, esta lei é percebida como um “pacto com o diabo”, pois na ânsia de obter os resultados e cego por eles, acaba sendo pago como contrapartida algo de valor inestimável, mesmo sem saber, o que só é percebido tarde demais.
A troca equivalente um dos temas de uma antiga parábola budista onde o preço de uma outra vida é própria vida5, as festas e vantagens políticas “gratuitas” e o que ocorre no caso do uso de substâncias ritualísticas inconsequentemente (sem um bom motivo e a supervisão de um guia espiritual) para ver o mundo da felicidade e dos Deuses, o que além de ser uma blasfêmia tem como preço para cada uma dessas ousadas viagens um pouco da própria alma do aventureiro.


6- Lei da Reciprocidade - ou lei dos triplos

Toda mágica será paga em triplo. Esta lei não é muito diferente das outras já apresentadas, mas ganha um valor especial por alertar para o fato de que tudo o que é feito tem um retorno triplo, uma resposta cármica do universo que devolve para o mago três vezes tudo o que ele fizer enquanto altera o fluxo mágico do universo. Esta é simbolizada pelo ato de "apontar para uma pessoa com um dedo enquanto os outros três dedos da mão apontam de volta". 





Não necessariamente o três não precisa ser entendido literalmente, como se uma magia de um soco fosse voltar como três socos. Este número é atribuído ao trickster, Hermes e os seres relacionados com a negociação, transformação e a malandragem, o que quer dizer que este retorno é feito pelas "entidades do três", ou seja, é um terceiro elemento na equação, que vem de forma repentina, “traiçoeira”, inesperada e por vezes cômica (mesmo que seja uma comédia irônica e sarcástica).
Exemplos de retornos mágicos são as magias de cura, que acabam por curar uma doença não relacionada da  própria sociedade, as magias feitas por pura caridade (que parecem boas, mas muitas vezes são más e egoístas) que voltam como traição e os sacrifícios de pessoas e relacionamentos em prol de dinheiro ou sucesso, que geralmente vem com dinheiro e sucesso, mas com um terceiro elemento geralmente consistindo de problemas psicológicos e familiares.


7- Lei da Reversibilidade

Tudo o que mágica faz, a mágica pode desfazer. Enfeitiçou alguém para convencê-lo? Outra magia pode mudar novamente essa opinião. Ficou amaldiçoado com uma gripe por brincar com os espíritos da chuva? Use de repouso e poção à base de frango para se curar. Os gnomos usaram de magia para esconder algo? Use a magia de São Longuinho para achar o objeto perdido.
Muito mais que uma simples lei, a reversibilidade é algo que demonstra que nada no mundo é absoluto, sempre há espaço para esperança, para a mágica e para arrumar as coisas. 
Do mesmo modo como sempre há espaço para a reciprocidade e outras leis se manifestarem...


8-Lei da Distorção

A mágica distorce o universo, mas isso é temporário, pois por mais que o altere e modifique, não muda sua essência. Cedo ou tarde tudo volta ao seu estado natural.
Isso quer dizer que mesmo esse feitiço para parecer mais bonito e legal, essa magia para o sucesso, a transformação de papel em ouro, o tempo que você ganhou, a ilusão para parecer um bom governante e inclusive essa poção do amor, que parece eterna e recheada de felicidade... todos estes efeitos uma hora ficam velhos e passam. 
Então é bom que esteja sempre preparado para encarar a realidade depois da magia, abandonando a sua vida na ilusão.




9-Lei do Equilíbrio

Tudo tende a um equilíbrio, por isso, sempre que uma mágica causar um desequilíbrio, uma força oposta virá para restabelecer o equilíbrio perdido. Se você usar magia para dias de sol, em algum outro lugar acontecerá uma tempestade, se você abusar de feitiços para ter felicidade, vai notar que sem eles é muito mais difícil ficar feliz.
Muitos magos consideram que o verdadeiro segredo da magia consiste em buscar o equilíbrio perfeito, tomando como objetivo de vida consertar o desequilíbrio existente no universo. Algo bastante difícil, dado a complexidade das variáveis envolvidas mesmo nos mais pequenos fenômenos e os subsequentes paradoxos que acabam aparecendo, como o que se expressa no s conhecidos dilemas entre "o que é o bem e o que é o mal", "o que é o certo e o errado", por exemplo.


10-Lei do Retorno

Se você não sabe para onde vai, vai para você. É uma variante mágica para o paradoxo dos jogos de cartas, onde é sempre a vez de quem pergunta.
Em todo caso, esta lei vale como um sério aviso: tenha sempre muito cuidado com o que faz com sua mágica, pois quando se brinca com ela sem um objetivo ou compromissos claro, ela se volta para você. O mesmo vale no caso de se usar mágica sem saber o que o está fazendo, o efeito é potencialmente catastrófico e geralmente volta para o próprio utilizador da magia.
Atacar algo que lhe machucou ou fez sentir mal, sem saber exatamente do que se trata, geralmente resulta em um ataque a si mesmo. Fazer feitiços para que se apaixonem por você vai transformá-lo em um grande Narciso6. Achar que a sociedade é corrupta e querer fazer um feitiço para destruí-la pode resultar em você sendo o corrupto destruído...


Finalizando

Apesar de mais ou menos aceitas, estas 10 leis da magia não são absolutas, existindo vários outros estudos e escritos que falam sobre existirem mais ou menos leis, ou mesmo propriedades completamente diferentes destas. Depende muito da corrente filosófica, modo de encarar os fenômenos e autores que se consulta.
Em especial, há o boato de que existe uma lendária 11ª lei, da qual apenas os grandes sábios possuem conhecimento, que resumiria todas as outras e as tornariam apenas uma (atrás da outra), assim unificando o saber mágico e permitindo uma compreensão inimaginável sobre o assunto.
Mas se esta realmente existe ou não, é uma outra discussão. O fato é que a magia ainda é um campo muito amplo e incerto, reservado apenas aos mais sábios e exige toda uma vida para que alguém comece a realmente compreender este estranho e fascinante poder e separe o que é mera especulação e charlatanismo do conhecimento verdadeiro.
Então, caso queira saber mais e sair da ignorância e separar o certo e errado com seus próprios olhos, não deixe de se dedicar e sempre "buscar conhecimento".7






Fonte: http://www.internetmonk.com/archive/imonk-the-magic-book-approach-to-the-bible


 ----------------------------------------------------


Alguns outros links sobre magia


1inclusive a referência de que retiro essas leis é o RPG, um jogo baseado em imaginação e interpretação: http://arcana.wikidot.com/laws-of-magic
2Por exemplo, apesar de ter influenciado, na prática a destruição que o mago demoníaco Hitler causou é ínfima comparando-a com a dos que “apenas seguiam ordens”.
3PARKER, Ben. Amazing Fantasy #15
4PERRY, Katy, 2013: http://letras.mus.br/katy-perry/dark-horse/traducao.html
5http://www.maisbelashistoriasbudistas.com/apomba.htm
6http://pt.wikipedia.org/wiki/Narciso
7BILU, Et: https://www.youtube.com/watch?v=GggUi3KQpLc

Imagem 1: http://www.internetmonk.com/archive/imonk-the-magic-book-approach-to-the-bible
Imagem 2: http://contraversao.com/wp-content/uploads/2013/07/magic1.jpg
Imagem 3: http://www.opequenoprincipe.com/imagens/aboutPns/aboutRaposa.png
Imagem 4: http://www.goodreads.com/book/show/13237327-the-magic
Outras imagens: http://pixabay.com/

Fonte:http://www.cultivar.psc.br/2015/04/as-10-leis-da-magia-que-podem-mudar-sua.html



Postagens mais visitadas deste blog

TESTE PARA SABER SE VOCÊ É SENSITIVO

OS TIPOS SENSITIVOS E QUE CUIDADOS TOMAR

COMO SABER QUEM É MEU EXÚ OU POMBA GIRA ?